A qualificação do Agente Comunitário de Saúde diante do envelhecimento populacional

A forma como a sociedade cuida de suas pessoas idosas está ancorada em muitos pontos de proteção e segurança. Esta pesquisa considerou que o Agente Comunitário de Saúde (ACS) é um desses pontos estratégicos que podem proporcionar aprendizagens à pessoa idosa capazes de lhes trazer bem estar e qualidade de vida. Tal intento depende da inclusão de conhecimentos sobre envelhecimento populacional e longevidade na prática do ACS, articulados pela formalidade do ambiente institucional e pelos saberes próprios, além daqueles construídos ao longo da interação com a população idosa. Com isso em vista, este trabalho investigou em que medida as relações de educação e trabalho em saúde preparam o ACS para o processo de envelhecimento no contexto brasileiro e verificou se o ACS vai além da orientação institucional e engendra novos formatos e estratégias que deem conta das necessidades de saúde coletadas no cotidiano das relações com a população de seu território. A opção metodológica constou de três etapas: (1) estudo exploratório; (2) análise de literatura sobre as relações de educação formal e trabalho do ACS e (3) verificação de como se expressam essas relações na prática cotidiana, por meio de duas ações.

Tipo de arquivo: 
Artigo
Evento / Disciplina / Periódico: 
Seminário SESC de Envelhecimento
Ano: 
2016