Novas tecnologias: do partido centralizado às redes da sociedade civil e comunidades virtuais

Quando a sociedade não ganhara complexidade, parecia viável reunir a população numa
rede hierárquica, organizada por intermediários, em torno de um programa dirigido pela “teoria
científica”. Hoje, a complexidade inviabiliza a centralização em projetos globais. Os sistemas
complexos usam regras simples para construir inteligência de nível mais alto, onde agentes
locais geram estruturas surpreendentemente complexas. A rápida modificação do contexto
desborda qualquer possibilidade de unificar interesses em um plano geral, permanentemente. As
novas tecnologias, porém, viabilizam redes que incorporam e convivem com ampla diversidade,
configurando redes descentralizadas, reguladas pela sincronização das ações de uma
multiplicidade de organizações civis.

Tipo de arquivo: 
Artigo
Evento / Disciplina / Periódico: 
Liinc em Revista
Ano: 
2008